terça-feira, 26 de outubro de 2010

Noite rara

Noite rara

Chovendo na noite. Calçada do Claus. Louis Armstrong canta. Trompete rasgando suave. Josélio quieto. Sóbrio. Curioso! Sem mais ninguém no Claus. Eu e minha bela. Natália. O jazz cortando os chuviscos. Uno vermelho no baixo da ladeira. Parado. Sozinho. Frio devorando a atmosfera fresca. Cerveja trincando os dentes. Armstrong descansa o trovão da garganta. Silêncio contempla serenando.

Clarineta deslizando no asfalto brilhoso. Minha bela e eu. Minha camisa em seus ombros eriçados. Meus ossos em ritmo bebop. Ela ri. Josélio quieto. Sóbrio. Curioso! Cerveja trincando a testa. Uno vermelho sozinho. Com frio. O trovão de Armstrong ainda descansa. Trompete sensual ecoa garoando. Lembranças sutis. Antigos natais. Goteiras luzentes. Finos pingos nas telhas. Clareando-as o grude. Cor de bosta-serenata.

Josélio bebe. Conversa sentado. Quieto. Curioso! Ninguém no Claus. Só o asfalto brilhoso. Amarelado de luz. Reflexo dos postes. Fileiras brilhantes. Dobrando. Sumindo na curva do escuro. Só eu e minha bela. Chuviscos luzentes. Armstrong rosnando. Goteira escorrendo. Cerveja trincando. Piano comendo. Uno vermelho partindo. Calçada esfriando. Vento batendo. Sono chegando. Armstrong rasgando. Josélio tremendo. Piano apertando. Chuva chovendo. Ninguém está vendo. Natália chamando...

15 comentários:

  1. coaduna com a raridade das chuvas em nossa cidade. tornou a noite perfeita pra uma segunda-feira.

    ResponderExcluir
  2. Que bom que não aceitei teu convite de ir ao Claudete... minha ausência permitiu tamanha inspiração e perfeição!

    ResponderExcluir
  3. objetos perfeitos pra tanta inspiracao...

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. A muito tempo eu escutei que o Rock era um estilo de música, e esse estilo foi sendo modificado ao passar do tempo, na minha adolescência eu ouvi falar que existia o heavy metal, o hard rock, o rock progressivo, o punk rock, o punk hardcore, o rock alternativo, o grunge, o Love metal e agora estão falando em “Rock colorido” que porra é essa??? Mais parece que essa evolução (mudança) não estar restrita as esfera do rock, pois ao pouco tempo eu vi um comercial da rede Globo divulgando “o melhor do sertanejo universitário” o que é isso? Quer dizer que existe um “sertanejo caipira”, um “sertanejo Pré-vestibulando” um “sertanejo terceirão”? e daqui a alguns anos os sertanejos depois que se formarem irão criar o “sertanejo pós-graduação” ou o “sertanejo mestrando” ou até quem sabe o “sertanejo doutorando” e o “sertanejo pós-doutorando”, quem sabe? Até nas cores ocorre essa mudança, por que na minha infância existia duas cores azul, o azul-claro e azul-scuro. Hoje tem azul piscina, azul petróleo, azul metálico... Antes existia amarelo e amarelo queimado, a poucos dias eu expliquei como seria a nova cor de amarelo, a “Cor de bosta-serenata” que pela descrição ai da postagem acho que todo mundo entendeu, boa postagem Jairo.

    ResponderExcluir
  6. Muito bom!!! Incrível como tens a brutalidade de um trator e a sensibilidade de uma teia... é meu ídolo bixo... rsrsrsrs.

    ResponderExcluir
  7. Agora q fui olhar q colocou tua foto sexy de Genghis Khan no blog...
    Bofe Escândalo!!!

    ResponderExcluir
  8. Josélio quieto e sóbrio? Noite rara mesmo...

    ResponderExcluir
  9. Josélio assim, também, é raro mesmo, Luidi.
    Ô Polly. Te idolatro, tbm, my brother.
    Porra, McCoy. Nem quero imaginar a evolução acadecadêmica do sertanejo pop emo-bosta de vaca.
    Êi, Petrus. E eu, TAMBÉM, sou 'bofe escândalo'? T'aí que eu não sabia.
    Vivi, tudo cúaduna?

    ResponderExcluir
  10. Dizem que a linguagem universal é a matemática. Seu texto discorda. Ler e até mesmo ouvir o inenarrável, o imensurável, não é uma experiência obtida em monômios, equações e fatoramentos.
    .
    Uma linguagem que nos diz mais que o texto é aquela que nos transporta o contexto, a vida, o som, a respiração da narrativa.
    .
    Suponho - e já disse isso aí no Claudeci - que uma linguagem assim posta seja inerentemente revolucionária. A única com o poder de ligar indivíduo e contexto, vida e atividade prática, unidade e conjunto.
    .
    Deveras curioso o Uno vermelho sozinho. Acho que era eu...

    ResponderExcluir
  11. Jairo Sam, isso ser muito grande para um Haikai. Isso ser muito grande para um telegrama.
    Mas ser muito bom, para um Gonzo!

    .
    Com relação a (des)evolução da música,
    "...amor é bossa nova, sexo é carnaval."
    E ponto...O resto é imitação!

    ResponderExcluir
  12. Concordo plenamente, senhora Beauvoir. Eu ser só um Gonzo Sam. Lembranças ao velho Sartre.

    ResponderExcluir